12 fevereiro 2016

Nova publicação ratifica importância do PIBID


#FicaPIBID, #MobilizaPIBID, #SomosTodosPIBID. Essas são algumas das hashtags que estão sendo utilizadas na rede em prol do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência, o PIBID, que já tem cortes de verba anunciados e uma ameaça iminente de ser extinto.

A iniciativa do Governo Federal é voltada para o aperfeiçoamento e a valorização da formação de professores para a educação básica. Para isso, o Programa trabalha com os alunos das licenciaturas, ligados a projetos de iniciação à docência, de diferentes disciplinas e áreas de conhecimento. Eles aprendem na prática, em escolas da rede pública, como se tornar professor de fato. Preparam aulas, elaboram metodologias e desenvolvem atividades diferenciadas aplicando criatividade e muitas vezes inovando.

Não cabe a mim discutir a importância de um projeto como esse para o bem comum de uma nação. É até óbvia sua relevância em um país onde quem investe em educação é considerado careta ou chato. A meu ver qualquer iniciativa de apoio a educação é bem-vinda. No entanto, o PIBID se destaca por trabalhar com os alunos da licenciatura que são aquelas graduações brasileiras que sofrem com a baixa procura dos estudantes. Isso mesmo! Há licenciaturas no Brasil com vagas sobrando, poucos escolhem cursar.

A licenciatura é o grau universitário que dá o direito de exercer o magistério, ou seja, ser professor dos níveis infantil, fundamental e médio. É a pessoa que vai ensinar as nossas crianças e ajudar na formação delas como cidadãos. Uma baita de uma contribuição para o bem comum quando pensamos na sociedade e não somente no nosso próprio umbigo.

Se temos um cenário de abandono das licenciaturas, teremos no futuro uma escassez de professores. Ou pior, vamos, como sempre, propor soluções paliativas para suprir essa falta. Isso definitivamente não é legal. Temos vários exemplos desse tipo de solução que atormentam nosso cotidiano como cidadãos brasileiros. É só sair de casa e olhar, por exemplo, uma obra de mobilidade urbana que atravancou ainda mais o fluxo de pessoas na cidade. Não queremos isso. Você pode até não ter se ligado que não quer, mas um dia irá perceber.

É assim que todas as vezes que trabalho em algum projeto do PIBID eu tenho a sensação de que ajudei a plantar mais algumas sementes no campo. A sensação vem porque você percebe claramente o nível de envolvimento daqueles estudantes que não só escolheram a licenciatura como estão investindo nela. E ainda contribuem para a valorização do trabalho do professor, porque os alunos que conviveram com as práticas pedagógicas criativas propostas pelos pibidianos voltam pra casa com a esperança de que é possível viver uma educação diferente.


Assim eu deixo aqui o link para o 2º Caderno Pedagógico do PIBID do Centro Universitário Franciscano (Unifra) disponível para acesso gratuito no link: http://www.pipacomunica.com.br/livrariadapipa/produto/2o-caderno-pedagogico-pibid-unifra/

A publicação apresenta os relatos sobre a elaboração de atividades pedagógicas diferenciadas, produzidas pelos bolsistas do PIBID Unifra e seus supervisores nas escolas parceiras. Tudo gerenciado pelos professores coordenadores dos subprojetos vinculados a cada uma das áreas de atuação do Programa na instituição: Filosofia, Geografia, História, Letras/Inglês, Letras/Português, Pedagogia e Matemática. Se quiser ler imediatamente lá vai uma opção:



É uma leitura importante para tentar entender o que vem sendo feito em favor da educação em nosso país. Se quiser saber mais sobre as produções do PIBID indico este link que mostra o trabalho dos licenciandos aqui em Pernambuco.

Aproveito esse espaço para convidar todos que chegaram até aqui para participar, mesmo que virtualmente, do Dia nacional de luta em defesa do PIBID, agendado para os próximos dias 23 e 24 de fevereiro. Confirme sua presença no evento e mostre seu apoio. Neste grupo você pode saber mais sobre a ação: https://www.facebook.com/groups/1600686786872263/